O Guia Definitivo para os Cereais – Artigo Traduzido

Hello Friends!!

Resolvi experimentar um novo tipo de post. Artigos traduzidos dos fundamentos da Paleo para ajudar quem está chegando agora e se perde no mundo de informações soltas na internet e muitas vezes contraditórias. Esse artigo é do Mark Sisson (meu autor preferido) e foi publicado em seu blog Marksdailyapple.com , Caso gostem dessa linha, já tenho “na manga” o mesmo padrão sobre açúcar, gordura e castanhas. Então, comentem aqui no Blog se irão querer ver mais desse tipo de Post.

Abraço

 

O Guia Definitivo para os cereais
Insulina, colesterol, gorduras… elas são apenas a ponta do iceberg. Eu tenho alguns “truques” na manga agora, e os cereais são o tema de hoje. Sim, cereais. Às vezes a verdade dói, mas você sabe o que dizem do mensageiro, certo? Sem mais delongas….

Cereais. Todo dia nós somos bombardeados com eles e sua variedade de associações na cultura americana (e em boa parte da ocidental): cereais matinais, barras de fibras, suplementos para atletas, pipocas, bolos, torta de maçã…nossa, esqueci de alguma coisa? Claro, muito disso de fato, poderia tomar – e geralmente toma – boa parte do espaço das prateleiras dos supermercados (Isso sem mencionar os subsídios governamentais às fazendas mas isso já é outro assunto). Sim, os cereais estão “gravados” na na psique moderna – só que não muito na nossa fisiologia.

Aqueles que estão com a gente há algum tempo conhecem o panorama evolutivo a que eu me refiro aqui. Nós humanos tivemos o prazer e o tormento de evoluir em uma existência de coleta de caçador. Estamos falando de mais de 150 mil anos de caça e coleta de alimentos. O cardápio da coleta diária incluía: carnes, nozes, vegetais folhosos, saladas regionais, alguns tubérculos e raízes, algumas bagas ou frutas de estação e sementes que outros animais não queriam (você por acaso já viu um cachorro comer uma maçã?). Nós comemos o que a natureza (nos respectivos locais) nos serviu. Quanto maior a oferta, melhor. E então aproximadamente 10 mil anos atrás, a maré virou. Nossos antepassados começaram com a Revolução Agrícola. Após isso, com o passar do tempo, os cereais se tornaram reis. Porém, como inúmeras descobertas arqueológicas sugerem, as pessoas ficaram menores e mais frágeis como resultado desta nova existência agrária e baseada em cereais.

Dez mil anos parecem muito tempo, não parecem? Pense em todos aqueles deveres de casa que você poderia concluir, os diplomas que você poderia obter, as receitas que você poderia fazer, os livros que você poderia ler…bastante intenso, não acha? Mas a nossa perspectiva pessoal no período de 10 mil anos não significa muita coisa quando o contexto é a evolução. Leva muito tempo para mudar totalmente um sistema maior no corpo humano. Nós estamos falando de uma mudança muito maior do que provar o novo sabor de Neston. Os cereais certamente não era uma parte importante da dieta humana antes da Revolução Agrícola. E mesmo após os cereais se ocuparem um grande papel na existência humana, aqueles que são mortalmente alérgicos a eles ou que tenham intolerância a eles foram, com todas as chances, contra isso. E isso aconteceu rapidamente. Todos aqueles cuja saúde foi comprometida pelos cereais que ficaram inférteis foram “varridos” da cadeia genética. É assim que funciona. Mas se você puder vagar por aí tempo suficiente para procriar (o que acontecia consideravelmente mais cedo do que geralmente acontece agora), esta nova dieta de cereais iria acabar com você, não importando o quão prejudicado o seu crescimento foi, o quão terríveis os seus dentes eram ou quão suscetível você era a infecções.

Quando eu digo que os humanos não evoluíram comendo cereais, eu quero dizer que os nossos processos digestivos não evoluíram a ponto de maximizar a efetividade do consumo de cereais. Só porque você pode “tolerar” cereais em um certo nível, como quase todos nós podemos (graças àqueles primeiros caras que sumiram da linha genética), não quer dizer que o seu corpo foi desenvolvido para eles ou que eles sejam realmente saudáveis para você ou – principalmente – que você irá atingir uma excelente saúde com eles. Nós não estamos falando sobre o que irá ou não permitir que você fique manco. Nós estamos falando sobre as comidas que oferecem digestão e absorção de nutrientes eficientes para o corpo. E tudo tem a ver com o design evolucionário. Se você não estiver em busca de uma excelente saúde, você provavelmente está lendo o blog errado. Mas se você quer trabalhar com o seu corpo ao invés de puni-lo desnecessariamente, se você quer focar a sua dieta nas melhores comidas, com o impacto mais positivo, você está definitivamente no lugar certo. Agora vamos continuar.

Entre as minhas muitas reclamações contra os cereais, a primeira e mais importante é o estrago que eles causam na insulina e outras respostas hormonais no corpo. Para ver o quadro completo, visite o Guida Definitivo da Insulina, publicado há alguns meses. E, adivinha só? Os mesmos princípios ainda valem. Nós desenvolvemos a resposta da insulina para ajudar a armazenar o excesso de nutrientes e para tirar o excesso de glicose (que é potencialmente tóxico) da corrente sanguínea. Esta é uma peculiaridade adaptativa. Porém ela não evoluiu para lidar com as grandes quantidades de carboidratos que nós jogamos no corpo atualmente. E sim, nós estamos falando principalmente sobre cereais. A menos que você tenha uma predileção compulsiva por nabos, a maioria da fonte de carboidratos das pessoas vêm dos cereais.
O ponto principal é este (como muitos de vocês sabem): qualquer que seja o carboidrato, ele irá eventualmente ser quebrado e transformado em glicose, seja no intestino ou no fígado. Mas agora ele está arrumado de maneira a não ter para onde ir. A menos que você faça malhação intensa ou acabe com o seu tênis de tanto correr (o que permitiria que estes carboidratos provenientes dos cereais fossem usados para reabastecer os níveis esgotados de glicogênio ou queimados como combustível secundários, respectivamente), aquele baguete Francês será muito provavelmente armazenado como gordura.
Porque isso ocorre? Porque os carboidratos obtêm uma resposta fisiológica que favorece o armazenamento de gordura. Aquele baguete maldito já definiu uma cadeia estratégica de eventos hormonais semelhantes em estilo fisiológico de uma trama do Tom Clancy: a emboscada da glicose do baguete, a manobra defensiva da insulina (principalmente se você comeu o baguete inteiro), a entrada de reforços de adrenalina e cortisol. Por que o drama? Porque, lembre-se, este não foi o modo padrão de nutrição na evolução do nosso corpo. E, cada vez que isso acontece, o corpo fica um pouco mais desgastado. Toda esta produção hormonal pune o sistema suprarrenal, o pâncreas, o sistema imunológico e resulta em pequenas inflamações. Nós todos sabemos o que se fala sobre inflamação, certo? (Uma dica: a praga da existência moderna)

E com relação ao valor nutricional dos cerais? Em primeiro lugar, eles não são a fonte nutricional completa que deveriam ser. Muito pelo contrário. Os cereias têm sido associados com deficiências em minerais, talvez devido aos altos níveis de ácido fítico. Uma dieta rica em cereais também pode reduzir a capacidade do corpo de processar vitamina D.
Por que não obter os mesmos nutrientes de fontes que não voltam para te morder o bumbum? Se você tiver a chance de escolher entre, digamos, Vitamina B de uma galinha ou alguma massa de “trigo integral”, eu recomendo você a escolher a galinha todas as vezes. A massa é mais barata? Sim. É mais saudável? Não. A Vitamina B6 na galinha é mais biodisponível. O fato é, você paga um preço muito alto do ponto de vista fisiológico pela massa. Vamos analisar a mesa do jantar também: quaisquer nutrients que você puder obter de cereais integrais, você pode obter em quantidades iguais ou até maiores em outros alimentos. Em termos de densidade nutricional, os cereais não conseguem bater uma dieta diversificada de vegetais e carnes (mesmo que o rótulo diga o contrário, olhe mais de perto, porque o produto é reforçado com vitamina. Guarde seu dinheiro e compre um bom suplemento em vez disso).

Mas espere! Tem mais. Existem substâncias nos cereais que causam a muitas pessoas uma série de problemas óbvios (e provavelmente todos nós sofreremos danos com o passar do tempo). Os cereais, do ponto de vista evolucionário, são realmente difíceis para o sistema digestivo (Você fala de fibras, eu falo de fibras desnecessárias, mas que são apenas metade disso). Insira glúten e lectinas, ambos causadores de desordens no sistema digestivo, você diria. Glúten, a maior proteína, solúvel em água e que cria uma elasticidade pastosa, e é encontrada na maioria dos cereais como trigo, centeio e cevada (e é a primeira cola na cola de papel de parede). Os pesquisadores acreditam agora que um terço de nós é provavelmente intolerante a glúten ou tem sensibilidade a esta substância. Este terço de nós (e eu suspeito que muitos mais em níveis variados) “reagem” ao glúten com uma resposta inflamatória perceptível. Com o passar do tempo, aqueles que são intolerantes ao glúten podem desenvolver uma série de problemas médicos: dermatite, dor nas juntas, problemas reprodutivos, refluxo e outras condições digestivas, desordens de autoimunidade e doença celíaca. Isso ainda não quer dizer ainda que o resto de nós não irá enfrentar sintomas que não se manifestem de maneira tão óbvia.

Agora as lectinas. As lectinas são toxinas naturais e suaves que não estão limitadas apenas aos cereais, mas parecem ser encontradas em altos níveis na maioria das variedades de cereais. Elas são mais um motivo pelos quais os cereais não valem a pena por todo o problema que causam. As lectinas, segundo pesquisadores, inibem o sistema de cura natural do trato intestinal, deixando o resto do corpo aberto ao impacto de material indesejado do sistema digestivo, principalmente quando estas lectinas “liberam” barreiras para entrada de moléculas maiores de proteínas não digeridas na corrente sanguínea. Esta brecha pode iniciar todo tipo de problemas relacionados à imunidade e acredita-se que ela está relacionada com o desenvolvimento de desordens autoimunológicas. Algumas pessoas são mais sensíveis que outras aos danos causados pela lectina, como no caso do glúten. Apesar disso, eu diria, com o passar do tempo todos nós sofremos as consequências.
Então, a conclusão que chegamos é: cereais = carboidratos. Desnecessário para melhorar, mas essencial para piorar, eles não são a base da alimentação saudável que deveriam ser. Falamos sobre dupla punição: nossos corpos pagam pelo que o nosso governo subsidia. A melhor – aliás, a única maneira – de conseguir uma dieta de baixa caloria com alimentos integrais é dispensar os cereais (o seu corpo ficará melhor, sem inflamação, sem a montanha-russa da insulina, sem mencionar o ataque de lectinas e glútens assustadores). Uma dieta com baixa quantidade ou sem nada de cereais (poucos carboidratos) tem demonstrado diminuir o risco de problemas associados a diabetes, para reduzir a pressão sanguínea, aliviar os sintomas de azia e perder gordura abdominal. Para finalizar, as dietas pobres em carboidratos têm sido associadas com “reduções significativas em citocinas e quimiocinas pró-inflamatórias e moléculas de adesão”.

A ideia aqui não é demonizar os cereais. Ok, é sim (mas apenas porque a nossa sociedade e os padrões médicos passam muito tempo exaltando-os). Como eu escolhi me manter afastado dos cereais como parte constante da minha dieta, eu abra uma exceção raramente. Muito raramente. E é aí que entra a ideia principal: é sobre estar informado e não sobre escolhas impostas. Aquele pãozinho francês num jantar de aniversário, uma porção de salada com macarrão na casa do seu tio Billy, o arroz que sua filha cozinha para você quando você visita o apartamento dela – são ações gentis e propositais (e talvez valham a pena por razões que não têm nada a ver com a comida em si). O ponto principal é este: quando você entende os efeitos metabólicos de comer cereais, você tem o poder de tomar decisões conscientes sobre a função que eles terão em sua dieta. Você é livre para desfrutar de uma boa saúde e concessões escolhidas com a consciência limpa e um sabor gastronômico pleno!

Categorias: Artigos Traduzidos,Dieta Paleo,Fundamentos Paleo,Paleo

Tags: ,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,

20s Comentários

  1. Adorei! Esperando mais publicações!! Aprendi isso sozinha, lendo muito!! Estava com 35% de gordura e 10kg acima do peso, com candidíase, infecção urinária de repetição, anemia, resistente à insulina, falta de vitamina D. Achava a minha alimentação saudável, com frutas e integrais. Leituras como essa são muito úteis. Pq encontrar profissionais q não alienados pelas indústrias farmacêuticas tá difícil

    • coachtecomendes

      Rs verdade! Mas estão aumentando os numeros de bons profissionais! Oremos.

  2. Muito bom o post! Realmente ajuda bastante quem está iniciando neste mundo e ainda fica um pouco perdido com tantas informações. Já estou aguardando o próximo!

  3. KARLA Amaral

    Amei a publicação do artigo traduzido (to escrevendo de novo porque apertei sem querer antes e publiquei um anterior). Voto por mais artigos assim, mais textos seus, mais workshop que possamos participar a distancia (um beijo de Belém/PA)!!!! Agora que li o artigo vou assistir aquele workshop… aquele que pode se arrepender? Se arrepender de não poder ter participado pessoalmente rsrs… um dia ainda te dou um abraço de GRATIDÃO!!!

    • coachtecomendes

      Oi Karla! Adorei seu comentário e essa semana tem mais posts meu, videos e continuarei com tradução de artigos. Um beijo e obrigado!

  4. Sabe, leio seu blog a bastante tempo (já li tudo!).
    Eu sempre tive problema de humor variado e falta de energia durante o dia, principalmente apos almocço. Batia aquele sono…

    Dai despois de pesquisar bastante sobre a Paleo, decidir iniciar e esteva seguindo fazia 4 meses. Tudo perfeito, energia a mil, sono apos almoço? Nunca mais.

    Mas o prega peças, hahaha. Mês passado eu peguei uma infecção braba, fiquei dias de cama, super mal, sem poder cozinhar ou preparar a minha comida, resultado: paes, cereais, graos tudo de volta.

    Nunca me senti tao pessima em toda minha vida! Humor oscilando, falta de energia, quero uma cama de hotel apos o almoco. Estou tentando voltar aos poucos, mas é super dificil… enfim chegarei onde eu estava novamente, so ter paciencia e controle.

    Enfim, queria mais compartilhar o que aconteceu comigo. O que fazer nessas situacoes, qndo vc esta incapaz de administrar sua alimentacao e depende da ajuda de outros?

    • coachtecomendes

      Ótima pergunta Chris e tenho que falar sobre isso de alguma forma e a resposta é longa. Eu já gravei 10 vídeos pro meu canal no YouTube que estão sendo editados e depois vou gravar sobre isso. Mas vou dar uma dica da resposta: um vegetariano come carne se vai num churrasco e não tem opção?! Se vc fosse diabética comeria tanto carbo com risco de passar mal? E se fosse celíaca? E se tivesse uma alergia séria que fechasse sua glote e vc morresse comendo glúten como a Eugenia, uma cliente minha?! Volte com força e volte a ter os resultados. Beijinho

      • Entendo onde vc quer chegar! hahaha Problema é quando quem te alimenta não acredita no seu novo estilo de vida e quer te intupir de arroz e feijao para “sarar logo”. hahahahaha

        Estou no aguardo dos novos videos.

  5. Ola Teco Mendes,

    Estou adorando tudo,
    Aguardando novos artigos, tenho muito o que aprender e colocar em prática.

    Parabéns!
    Abraço
    Antonia